Cerca de 40% das internações hospitalares na Bahia são decorrentes de acidentes de trânsito, sobretudo envolvendo motocicletas. Somente em 2019, 1.481 mortes já foram registradas. Para discutir estratégias voltadas à redução das mortes e lesões por acidentes de trânsito, com ênfase na região Nordeste, representantes do Governo do Estado e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) participaram, na manhã desta terça-feira (15), do Simpósio Internacional Trânsito Seguro.

Promovido pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), no Auditório Jornalista Jorge Calmon, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador, o evento também apresentou experiências nacionais e internacionais. O secretário da Sesab, Fábio Vilas-Boas, destacou que o número elevado de acidentes reflete em custos econômicos e sociais. “Estima-se que na Bahia, por ano, sejam gastos mais de R$ 500 milhões, entre custos diretos e indiretos, com vítimas de acidente de trânsito. Além dos gastos financeiros, muitas cirurgias programadas são impedidas devido à indisponibilidade dos leitos hospitalares”, afirmou.

De acordo com o consultor de Segurança no Trânsito da Opas, Victor Pavarino, o encontro de diversos setores e instituições e o compartilhamento de experiências contribuem para o desenvolvimento de ações focadas na redução das mortes e lesões. “Trânsito é um tema multidisciplinar e, para encontrar possíveis soluções, é necessária uma ação conjunta entre saúde e educação. Ainda mais porque é a primeira causa das mortes de jovens entre 15 e 29 anos no mundo”, disse.

Uma oficina de trabalho será realizada à tarde com o objetivo de apresentar uma matriz de prioridades em um plano de ações para a redução das mortes e lesões no trânsito na Bahia.

Plano

A Sesab tem promovido reuniões entre diferentes órgãos e secretarias estaduais e municipais, cujas deliberações irão compor o plano estadual de combate aos acidentes de motocicletas. A iniciativa apresentará um pacote de medidas técnicas para a segurança no trânsito, que dizem respeito à gestão da velocidade, à concepção da infraestrutura, à segurança dos veículos, à legislação e seu cumprimento, assim como ao atendimento de emergência após acidentes e à liderança na segurança no trânsito.

Educação

Para o secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, a prevenção deve ocorrer, primeiramente, no âmbito familiar e nas escolas. “A criança e o jovem precisam entender o impacto que um acidente de trânsito pode causar para a família, para o Estado e para a sociedade. As escolas também devem ser um espaço para compreender as leis de trânsito, conceitos de condução defensiva e ética. Precisamos debater esse tema como uma política de governo.”

Fonte: ASCOM GOV/BA

Comente via Facebook!